Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Pessoal, nesses tempos crise em que estamos vivendo, o número de golpes na praça aumentam significativamente tanto aplicados por motoristas quanto por passageiros.

Artigos relacionados:

1. Quanto ganha um motorista do Uber ?
2. Descubra por si mesmo se vale a pena ser parceiro do Uber
3. Brainstorm: Quando as regulações interferem na inovação (Parte 3)
4. Movimento regulatório do Bitcoin no Brasil é uma ameaça ao seu uso
5. Brainstorm: Por onde anda a inovação na presença da propriedade intelectual (PI)? (Parte 2)

Eis que me deparei como mais um tipo de Golpe, dessa vez com o Uber.

No último sábado, comemorei 4 anos em que conheci minha patroa. Como todo cara tentando ser um cavalheiro, saí pra jantar. Após o jantar, fui ao teatro. Queria que a noite fosse especial, afinal, 4 anos de relacionamento, em tempos de forte relativização cultural, em tempos de Tinder e outros, pode ser considerado uma vitória para quem é adepto ao bom e tradicional relacionamento sério.

Como fui ao Teatro, acabei saindo de lá muito tarde, então por volta das 00:30 chamei um Uber. Reparei que o motorista estava perto. Então, um veículo com o mesmo modelo informado pelo aplicativo parou do outro lado da calçada da avenida em que eu estava. Antes que eu pudesse ir para o outro lado da calçada, verificar se era a mesma placa, o veículo saiu com um passageiro. Então pensei que pudesse ser outro Uber com mesmo modelo de carro e continuei esperando. Após uns minutos, quando verifiquei no aplicativo onde meu motorista estava, ele estava se distanciando, ao invés de se aproximar do local onde estava o Uber. Então, pensei "poxa, o cara deve estar fazendo algum retorno", coloquei o celular no bolso, para evitar assaltos (quem mora no Rio de Janeiro, sabe do que estou falando) e fiquei esperando o telefone me alertar (vibrar) para quando o motorista estivesse se aproximando.

Então o aplicativo sinalizou. Pensando que o motorista estivesse chegando, quando fui ver, era a mensagem de uma cobrança da corrida cheia para um outro endereço totalmente desconhecido. Na verdade, aquele carro parado, era realmente meu Uber. O passageiro se identificou como se fosse eu e mudou a rota originalmente solicitada. E a cobrança veio no meu cartão de crédito. Ou seja, uma pessoa estranha aplicou um golpe em mim e no motorista. Veja o caso:

Primeira corrida, passageiro se identificou como se fosse eu, mudou a rota e no final deu um Golpe no Motorista e em mim, dono do cartão.



Quando contei o que tinha acontecido a amigos próximos, um deles me informou que o caso dele foi um pouco diferente. O golpe se originou por parte do motorista que ao ser avisado sobre uma corrida, aceitou. Passou próximo do passageiro, iniciou a corrida pelo aplicativo, e tempos depois o Uber cobrou a corrida integral no cartão de crédito do usuário.

Uma variante do golpe acima, é a famosa cobrança pela taxa de desistência. O motorista fica enrolando. Anda 2 minutos e fica parado 5 minutos. Para forçar o usuário a desistir de tanto esperar e acabar cancelando a corrida. Com isso, o motorista ganha os R$ 7,00 referente a taxa de desistência.

Vale lembrar que o Uber é bem solícito para analisar e corrigir este tipo de falha. Após comprovação dos passageiros, o pagamento geralmente é estornado. O que usei para informar que não era eu naquela corrida? Simples, pedi outro Uber no mesmo local em que tinha pedido anteriormente, e com a mesma rota, desta forma, eu me eximi de ser apontado como um possível fraudador. Afinal, não poderia estar em dois locais ao mesmo tempo.

Além disso, quantas e quantas corridas do Uber devem ser realizadas e dias depois, o usuário pede o chargeback alegando que não pegou o Uber, quando vem a cobrança do cartão. A "fraude do chargeback" existe aos rodos no Brasil, é uma falha da nossa legislação, vale a pena conferir este post.

Um outro tipo de fraude que existe, é uma variante da anterior dessa vez cometida pelo passageiro. O usuário pede um Uber em seu nome para um amigo ou conhecido que se identifica como você e menciona um imprevisto. Pede para mudar a rota. Momentos depois, o passageiro, envolvido na fraude, proprietário do cartão, solicita um Uber no mesmo local que antes com a mesma rota do pedido anterior. Após isso, pede estorno da primeira corrida alegando que o Uber dele nunca chegou e ele foi cobrado por isso. Desse modo, o fraudador consegue duas corridas pelo preço de uma.

Bom pessoal, este post foi para alertá-los de possíveis fraudes tanto de motoristas quanto de passageiros (ou até mesmo de estranhos).

Na próxima, com certeza, é preciso estar mais atento, tanto para ninguém pegar o seu Uber e deixar a conta pra você, quanto para ficar em alerta de motoristas que praticamente te forçam a pagar a taxa de desistência ao nunca chegarem ou porque iniciam a corrida sem você estar no carro.

E você? Já passou por algum golpe do gênero? Deixe nos comentários.

Grande Abraço,
Wendel.