Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

Este artigo visa analisar uma altcoin que atualmente tem o 3ª Marcket Cap de todas as criptomoedas, seu projeto no momento está batendo U$ 10 bilhões. A figura abaixo nos dá uma noção dessa dimensão (continue lendo):

Tentaremos, pois, entender o que é o Ripple (XRP), para que serve, qual sua proposta, bem como, serão levantados aspectos negativos, positivos e comparativos. Aqui não só relatarei minha experiência com esta altcoin e meu ponto de vista, mas também ao fim do artigo encontrar-se-á gama vasta de referências bibliográficas para que o leitor possa tirar suas próprias conclusões.

O projeto Ripple caminhou desde 2012 meio sem rumo, indefinido. A ideia dos seus desenvolvedores sempre foi fazer um sistema de pagamentos num nível que poderia ultrapassar qualquer fronteira. No projeto original, foram criados ferramentas como RipplePay e Villages. O Ripple.com é uma nova implementação distribuída do projeto Ripple que passou por três fases: princípio de desenvolvimento (2004-2012), OpenCoin and Ripple Labs (2012–13) e foco no mercado de transferências bancárias (2014–17). Sua principal proposta é permitir transações seguras, instantâneas e quase gratuitas, de qualquer tamanho, que sejam irreversíveis. Dessa maneira, o Ripple (XRP) funciona como um intermediário que pode transacionar quase tudo desde criptomoedas, comodites e até moedas fiduciárias (USD, EUR, BRL, entre outras).

A parte mais interessante do Ripple são os Gateways de pagamentos. São pontos localizados em diferentes países que fazem a troca e o processamento de moedas fiduciárias locais para conversão em XRP. Tendo XRP, você pode trocar por Bitcoin, outras altcoins e até outras moedas fiduciárias como dólar, Euro e outras.

Esse ponto torna o Ripple bastante interessante, isto é, se você está desconfortável ou tendo problemas com sua exchange de Bitcoins no Brasil, detalhes sobre exchanges sobrecarregadas podem ser lidos aqui, você pode comprar Ripple (XRP) e comprar seu Bitcoin e outras altcoins em qualquer corretora do mundo que lhe agrade. É claro, que a corretora tem que aceitar Ripple como forma de depósito. As grandes exchanges internacionais já o aceitam como Poloniex, Kraken e Bittrex, não que eu recomende alguma dessas, é apenas para citar (Já tive problemas com a Poloniex e a Kraken… escolha a corretora que mais lhe agrade).

O Rippex é um Gateway Ripple no Brasil. Achei sensacional o Brasil ter um Gateway Ripple. Usei uma vez e tive meu pagamento processado em 30 minutos (Apenas o tempo de compensação do TED). As taxas também são muito boas, na época que usei era taxa 0% para saques e depósitos em Reais (BRL). As taxas vinham apenas a partir dos trades na plataforma. A Rippex presta um bom serviço, tem vídeos tutoriais no próprio site ensinando como configurar a carteira de XRP, depositar e adicionar o Gateway. Mas o objetivo aqui não é fazer propaganda, é fazer uma análise e você vai entender porque estou falando da Rippex.  

Continuando com minhas experiências. Observe estes gráficos da cotação do Bitcoin no último mês:

Em todos esses casos, é possível ver um Gap grande. Isso ocorre, porque o Bitcoin atingiu o denominado “All-time high”, ou seja, sua alta histórica. Nunca se atingiu essa cotação antes, e muita gente está perdida, no sentido de não ter referência, se ele continuará subindo, se vai haver uma correção no preço, ou até mesmo um Crash como o que ocorreu em 2013. Por isso, de tempos em tempos, quando a cotação atinge os gatilhos de venda de um “tubarão” de Bitcoins, um pessoa ou empresa com bastantes Bitcoins em carteira, ocorre uma venda de alto volume, ocasionando esse gap no mercado como foi mostrado na figura acima. Esses GAP’s são mais comuns em grandes corretoras com grandes volumes, geralmente, exchanges internacionais. “Lambaris”, pequenos investidores estrategicamente posicionados, às vezes, conseguem surfar nesta onda e conseguir comprar a uma boa cotação.

O Ripple (XRP) te proporciona num primeiro momento, fazer seu BRL chegar até lá, para você conseguir o melhor trade possível.

Mas nem tudo são flores no nosso Brasil. Perceba como foi meu teste na plataforma. Com relação ao Gateway da Rippex, eu não tenho o que reclamar, o problema, é que no Brasil, quando tentei fazer este tipo de trade, verifiquei que a cotação inicial do Ripple em BRL estava pelo menos 30% mais alta que a cotação no exterior. Considerando que queria fazer trade com o Bitcoin, e não com o XRP, não me importaria a cotação do XRP, se comprei com um ágio de 40%, venderia com um ágio de 40%, sobrando apenas meu “lucro ou prejuízo” com o trade de Bitcoins. Pois bem, fiz um trade na Poloniex, e no momento que transformei os Bitcoins em Ripple (XRP), para convertê-los novamente em Reais, fiquei esperando mais de 1 dia. O volume de transações era baixo, e parece que os novos compradores não estavam dispostos a comprar com um ágio de 40% na venda, assim como eu fiz na compra, para poder operar na Poloniex. Para variar, a flutuação da cotação de mercado do Ripple é grande, e no dia seguinte, caiu 20%, levando embora o que ganhei com meu trade de Bitcoins. Então, é preciso estar atento, para operar no Brasil com esses dois aspectos negativos do nosso mercado, primeiro o volume de transações que é baixo e segundo que o Ripple no Brasil não está sendo usado como meio de pagamento, um intermediário, está sendo usado como ativo, reserva, o que faz com que você tenha que se preocupar com o preço mínimo de compra do Ripple (XRP), para conseguir um bom preço de (XRP) na venda, isto é, o trade fica muito mais difícil e arriscado ao ter que se especular em duas criptos. E no momento que você tenha Ripple (XRP) em mãos, procure se livrar o mais rápido possível dele se seu objetivo é garantir o trade feito com outras altcoins em outros mercados.

E esse é o ponto em que o Ripple (XRP) se difere das criptomoedas em geral e sofre duras críticas por isso. Por que o volume do Ripple é baixo no Brasil, será que é porque tem pouca oferta? Fazendo uma comparação com o Bitcoin, existe um ágio pago do Bitcoin em Real por conta de não termos condições de mineração por aqui, isto é, o preço de nossa energia elétrica chega a ser 8 vezes mais cara que em muitos países, o que torna a mineração inviável no Brasil. Falei sobre isso, aqui e aqui. A maioria dos novos Bitcoins comercializados no mercado interno vem de fora, a um custo brasil, com taxas e impostos que são repassados ao valor final.

E no caso do Ripple (XRP)? No caso do Ripple, é pior ainda. Isto porque o Ripple não pode ser minerado. Sua distribuição é centralizada. Inicialmente foram gerados 100 Bilhões de Ripples (XRP) e a distribuição dessas moedas ocorreu de forma obscura, ninguém sabe ao certo onde foi parar. Na mineração, pelo menos, você sabe de onde saem as moedas, basta minerar. Em qualquer parte do globo, pode se gerar uma nova moeda porque a distribuição é descentralizada. A Ripple.com (Empresa por trás do XRP), segurou muitos XRP’s em seu lançamento. Quando o preço subiu, por mera especulação, seus criadores enriqueceram assustadoramente. Esse tipo de distribuição, lembra muito uma pirâmide financeira. Eu crio 100 bilhões de moedas, e jogo no mercado, começo a dizer que aquilo tem valor, que é valioso, guardo muitas delas e enriqueço com isso. Sejamos honestos, se o XRP for para mais U$ 1, o Ripple ultrapassa o Marcket Cap do Bitcoin (Estranho, não? Só serão minerados 21 milhões deles no mundo). Olhando em questão de volume, talvez, o Ripple, possa ser a maior bolha da história deste mercado de criptomoedas por conta da centralização. Com 100 Bilhões de tokens XRP, não deveria ultrapassar 5 centavos, sejamos francos. Muitos aguardam a adoção de bancos, na expectiva, de que se agregue valor ao XRP com o uso massivo dos Bancos, mas são 100 Bilhões, criados de uma vez só, as pessoas não devem esquecer disso. Estima-se que os fundadores do Ripple ficaram com 20 bilhões de XRP para eles mesmos no momento da criação.

O Algoritmo de Consensus, que é onde o XRP roda, realmente possibilita transações instantâneas, os desenvolvedores dizem que é possível processar o mesmo número de transações que de um cartão de crédito, por exemplo. Isso tem algum valor, ainda mais considerando que se gasta “pouca” energia para manter essa estrutura (menos que a do Bitcoin, pelo menos), mas no projeto não se foi criada a escassez, igual existe no Bitcoin. Portanto, o comportamento do XRP é de token, é apenas de uma ponte para transações, eu, particularmente, não acredito e não aconselho ninguém a considerá-lo um “ativo”, uma reserva, igual muitos fazem com o Bitcoin e outras criptomoedas. Meu uso se restringe apenas para pagamentos, ponte entre moedas e Gateways. Nada mais.

Além disso, não podemos deixar de enfatizar, que tendo a empresa Ripple, custódia de grande quantidade de XRP’s, ela pode muito bem regular o preço no mercado. Controlando oferta e demanda de XRP, não deixando os preços livres. Lembrando que um dos cofundadores da Ripple é Jed McCaleb, o cara por trás do Mt.Gox, exchange que causou o crash de 2013 no Bitcoin. Neste site, é possível conferir relatos de que Jed atuou no mercado manipulando preços do XRP em movimentos de forte alta e baixa (pump and dump).

Portanto, o Ripple é uma boa tecnologia, rápida, com baixo custo de transação que tem sido de bom uso para bancos. Também tem sido usado para "desafogar" a congestionada rede de Bitcoins enquanto o SegWit não é implementado, no entanto, chegar ao terceiro market cap das criptomoedas é demasiado. Nos últimos meses é possível verificar altas em torno de 4.000%. E os usuários comentando em grupos para manter e comprar mais porque ainda vai subir e pode chegar a U$ 1. Novamente, enfatizo, não há fundamento para isso. Se chegar, é mera especulação. A cotação do XRP pode virar pó da noite para o dia. A Rippex tem feito um belo trabalho no Brasil, mas não se engane, novamente, este salto de preço pode não ter fundamento. Inclusive, eu aconselho usar XRP apenas como token, ponte entre moedas fiduciárias, outros ativos ou criptomoedas. Nunca como reserva. 

Artigos relacionados:

1. Preminer, instaminer, Ninjamining e as Criptomoedas
2. Analisando a criptomoeda Dash (Parte 1)
3. Analisando a criptomoeda Dash (Parte 2)
4. O que é o Ethereum?
5. Descoberto bug inflacionário em criptomoedas baseadas no CryptoNight como o Monero (XRM) e a DASH

Bem, mas isso é minha humilde opinião. Deixe a sua nos comentários.

Lembro que este artigo é informativo, não representa indicação de investimento.

Referência Biliográficas:

1. https://bitcointalk.org/index.php?topic=1752760.0
2. https://steemit.com/ripple/@olyup/fck-you-money-the-rise-and-fall-of-xrp
3. https://www.xrpchat.com/topic/5233-relative-markets-and-analysis/
4. https://ripple.com/files/ripple_consensus_whitepaper.pdf